Fatores maternos e neonatais relacionados a malformações congênitas no Brasil: um estudo secundário com 2.856.781 gestantes

Authors

DOI:

https://doi.org/10.52600/2763-583X.bjcr.2022.2.3.62-74

Keywords:

Anormalidades congênitas, Herança materna, Recém-nascido, Gravidez

Abstract

Malformações congênitas são alterações presentes desde o nascimento e representam uma preocupação para a saúde pública, sendo importante relacionar fatores maternos e neonatais com a presença de anomalias congênitas. Trata-se de um estudo epidemiológico descritivo transversal, com dados coletados na plataforma do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) sobre fatores associados à presença de malformações congênitas. O presente estudo analisou os dados de 2.856.781 gestantes para verificar o desenvolvimento de malformações congênitas, comprovando que a presença de tais anomalias tem relação com algumas variáveis, tais como o tipo de parto, a duração da gestação, a raça, a escolaridade da mãe e o peso do recém-nascido. Portanto, a partir dos dados analisados, verificamos que existe uma predominância de casos de malformações congênitas nos recém-nascidos prematuros, assim como há prevalência de anomalias em neonatos de parto cesáreo. Logo, fica evidente a necessidade de traçar essas variáveis para compreender o perfil materno e infantil. As variáveis apresentadas associam-se à presença de malformações, contudo, certos fatores possuem maior relação. Assim, torna-se importante investigar possíveis causas para essa maior susceptibilidade.

Author Biographies

Ricardo Henrique Freitas Tavares, Universidade Católica de Pernambuco

Universidade Católica de Pernambuco, Pernambuco, PE, Brasil.  

Vinícius Barros Alves, Universidade Católica de Pernambuco

Universidade Católica de Pernambuco, Pernambuco, PE, Brasil.  

Rolderick da Rocha Leão Sobrinho, Universidade Católica de Pernambuco

Universidade Católica de Pernambuco, Pernambuco, PE, Brasil.  

Mariana Rodrigues dos Santos Souza, Universidade Católica de Pernambuco

Universidade Católica de Pernambuco, Pernambuco, PE, Brasil. 

Laura Guerra Lopes, Universidade Católica de Pernambuco

Universidade Católica de Pernambuco, Pernambuco, PE, Brasil.  

Fernando Lins Azevedo Neto, Universidade Católica de Pernambuco

Universidade Católica de Pernambuco, Pernambuco, PE, Brasil.

Manuela Barbosa Rodrigues de Souza, Universidade Católica de Pernambuco

Universidade Católica de Pernambuco, Pernambuco, PE, Brasil.

References

Moore KL, Persaud TVN, Torchia MG. Embriologia clínica. 10ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2016.

de Castro MLS, da Cunha CJ, Moreira PB, Fernández RR, Garcias GL, Martino-Röth MG. Freqüência das malformações múltiplas em recém-nascidos na Cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, e fatores sócio-demográficos associados. Cad. Saúde Pública. 2006 May;22(5)1009-1015. doi: 10.1590/S0102-311X2006000500013.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) [Internet]. Nascidos com defeitos congênitos: histórias de crianças, pais e profissionais de saúde que prestam cuidados ao longo da vida. Brasília, Brasil; 2020.

Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2019a [acesso em 29 abr 2021]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/cnv/inf10uf.def.

dos Santos SR, Dias IMAV, Salimena AMO, Bara VMF. A vivência dos pais de uma criança com malformações congênitas. Rev. Min. Enferm. 2011 Oct/Dec;15(4):491-497.

Departamento de Informática do SUS (DATASUS) [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2019b [acesso em 20 mai 2021].

Manual MSD: Versão para Profissionais de Saúde [Internet]. Prematuros. Kenilworth, Estados Unidos; 2019 [acesso em 01 jun 2021].

Junior EPP, da Luz LA, Guimarães MAP, Tavares LT, Brito TRS, Souza GDF. Prevalência e fatores associados às anomalias congênitas em recém-nascidos. Rev. Bras. Promoç. Saúde. 2017 Sep 29;30(3):1-9. doi: 10.5020/18061230.2017.6467.

Brizot M de L, Fujita MM, Reis NSV dos, Banduki Neto JD, Schultz R, Miyadahira S, Zugaib M. Malformações Fetais em Gestação Múltipla. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2000 Sep;22(8):511-517. doi: 10.1590/S0100-72032000000800007.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE; 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: uma política para o SUS. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2017.

Fontoura FC, Cardoso MVLML. Associação das malformações congênitas com variáveis neonatais e maternas em unidades neonatais numa cidade do Nordeste brasileiro. Texto Contexto Enferm. 2014 Dec;23(4):907-914. doi: 10.1590/010407072014002320-013.

Cosme HW, Lima LS, Barbosa LG. Prevalência de anomalias congênitas e fatores associados em recém-nascidos do município de São Paulo no período de 2010 a 2014. Rev. Paul. Pediatr. 2017 Jan/Mar;35(1):33-38. doi: 10.1590/1984-0462/;2017;35;1;00002.

Pinto CO, Nascimento LFC. Estudo de prevalência de defeitos congênitos no Vale do Paraíba Paulista. Rev. Paul. Pediatr. 2007 Sep;25(3):233-239. doi: 10.1590/S0103-05822007000300007].

Costa CMS. Perfil das malformações congênitas em uma amostra de nascimentos no município do Rio de Janeiro 1999-2001 [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Saúde Pública, FIOCRUZ; 2005.

Herrera JN, López-Camelo J, Castilla EE. ECLAMC: estudio de 30 años de vigilancia epidemiológica de defectos de tubo neural en Chile y en Latinoamérica. Rev. Méd. Chile. 2001 May;129(5):531-539. doi: 10.4067/S0034-98872001000500009.

Downloads

Published

2022-06-13

Issue

Section

Health Review

Categories